domingo, 8 de março de 2009

Quem Quer Ser Um Milionário?


E a resposta certa é...

A seguir, uma série de perguntas e respostas sobre “Quem Quer Ser Um Milionário?”, filme que papou 8 Oscars e teve sua estreia nacional nesta última sexta-feira, 06 de março.

1 ª Pergunta: sobre o que é o filme?

Reposta: O longa de Danny Boyle mostra as peripécias de Jamal, um garoto saído dos favelões de Mumbai que acaba obtendo grande êxito na versão indiana do programa que ficou conhecido no Brasil como “Show do Milhão”. Quando está para faturar as 20 milhões de rúpias (prêmio máximo), ele é levado a uma sessão de torturas a fim de explicar como um favelado pode ter respondido corretamente a todas as questões. Ah, ele é também apaixonado por Latika, garota também egressa das favelas e que acredita ser o seu destino.

2ª Pergunta: essa trama é bem desenvolvida?

Reposta: se você quer saber se o filme é daqueles que envolvem o espectador, capaz de emocionar as plateias, fazer os namorados saírem abraçadinhos da sala de cinema, a resposta é sim. Danny Boyle volta a conduzir um longa de maneira frenética e estilosa, prendendo todos com uma narrativa fluida e cheia de sequências visualmente bem elaboradas. Mas também estão presentes algumas cenas de gosto bastante duvidoso, além de dispensáveis, como o mergulho de um garoto em um charco de fezes apenas para conseguir um autógrafo de um astro de Bollywood. Boyle, por sinal, parece ter uma obsessão por cocô (lembram de “Trainspotting”?).

3ª Pergunta: então o roteiro dever ser ótimo, não?

Resposta: É muito bem amarrado, cheio de elementos de “recompensa” para o espectador (foi escrito por Simon Beaufoy). O que não significa que seu texto seja rico. Há várias frases feitas ao longo de toda a trama, típicas de entretenimentos adolescentes como “Malhação” ou “High School Musical”. Aliás, coisas como “você é o meu destino” ou “vamos viver de amor” (por mais que características de um romance adolescente) parecem saídas de novelas de Glória Perez (será que ela adivinhou que esse filme iria fazer sucesso e assim começou a escrever sua novela “Caminho das Índias”?). O romance, já percebemos desde o início, está fadado a cumprir “seu destino”, numa previsibilidade atordoante.

4ª Pergunta: é verdade que o filme, como os críticos andam dizendo, tem muito de “Cidade de Deus”?

Resposta: Bem, a estética e o ritmo lembram bastante o filme de Fernando Meirelles, é fato. Além disso, ao mostrar a trajetória de Jamal, Boyle coloca um subtexto social em que explicita vários aspectos da realidade indiana, muito embora de forma superficial, sendo exemplos disso os conflitos religiosos, a situação de extrema pobreza da maior parte da população (as favelas mostradas no filme fazem as brasileiras serem vistas até como “desenvolvidas”) e a violência reinante (não muito diferente da brasileira). Todavia, se em “Cidade de Deus” esse é o tema central, em “Quem Quer Ser Um Milionário?” isso é apenas circunstancial, sendo basicamente um pano de fundo. E essa “realidade” mostrada é vista sob uma ótica de colonizador sobre colonizado, uma espécie de safári sociológico (é bom lembrar que o diretor, bem como a maior parte das fontes de financiamento, são britânicos), onde leões e leopardos são substituídos pelas crianças miseráveis da Índia.

5ª Pergunta: E os aspectos técnicos?

Resposta: São realmente muito bons. Fotografia, som e, principalmente, a edição são excelentes (este último item é outro aspecto que lembra muito “Cidade de Deus”). Neste ponto, ele fez realmente valer os prêmios que recebeu.

6ª Pergunta: o filme é manipulador e maniqueísta, como também a crítica brasileira anda alardeando?

Reposta: É manipulador, muito embora isso não possa sempre ser considerado como um defeito. Steven Spielberg, por exemplo, é mestre em manipulações e conseguiu produzir obras-primas cinematográficas dentro desta cartilha (desde “E.T.” a “A Lista de Schindler”). Existem inúmeros artifícios no filme para fazer o público se emocionar. Aliás, a própria ideia de uma história de “criancinhas sofridas” já induz a isso (esquema que também costuma agradar a Academia). Os personagens parecem saídos de um livro de Charles Dickens, só que em patamares ainda mais exacerbados de sofrimento e redenção. Também se mostra bastante maniqueísta. O vilão-apresentador parece saído de um conto infantil, sendo que a própria ideia da tortura para que Jamal revele os seus “segredos” já se mostra até um tanto “trash”. Ao longo de toda a narrativa, é bom lembrar, as crianças sofrem feito elefantes perseguidos na savana. Uma autêntica via crucis com verniz pop.

7ª Pergunta: os atores são competentes?

Reposta: Sim, a maior parte do elenco tem méritos. Dev Patel, que interpreta Jamal nos seus 18 anos é competente e carismático, assim como Anil Kapoor (astro de Bollywood), o apresentador do programa, desempenha muito bem seu papel. Já Freida Pinto, a intérprete de Latika, é linda e desejável, mas funciona mais como um enfeite cênico, além de ser o objetivo de vida de Jamal, claro. Contudo, o que mais me chamou a atenção foi o grupo de atores mirins recrutados pela produção nas favelas da própria Mumbai. Eles são ótimos e foram até recebidos com festa na Índia depois da cerimônia do Oscar.

8ª Pergunta: o filme mereceu as oito estatuetas que levou pra casa?

Resposta: nesse quesito, dá para afirmar que 8 Oscars me pareceram um certo exagero. Alguns afirmam que a Academia quis premiar “Milionário” pelo fato de ter esquecido “Cidade de Deus”, uma das obras mais influentes da década, em outra oportunidade. Pode haver verdade nessa afirmação, mas com certeza há mais verdade ainda no fato de Hollywood, nestes tempos de abertura da era Barack Obama e, principalmente, de grave crise econômica, estar buscando se aproximar de outras culturas e mercados. Ela já percebeu que boa parte de sua receita hoje está vindo do “resto do mundo” e a tendência só deve crescer, diante da recessão nos EUA. Nada melhor que se aliar aos emergentes para não imergir.

9ª Pergunta: agora, finalmente, responda: o filme é bom ou não?

Resposta: vou responder com as alternativas que seguem abaixo:

a) um filme empolgante, de grudar o espectador na cadeira;

b) uma merda estilizada por Danny Boyle;

c) um conto de fadas adolescente, com direito a número estilo “High School Musical” no final;

d) tudo isso junto.

A resposta certa é... Bem, assista ao filme e escolha sua opção. Creio que a minha talvez seja a letra “d” (creio que realmente há um pouco de cada alternativa no longa), mas... Acho que vou pedir ajuda aos universitários, a um amigo ou, talvez, para as cartas! Pena que acertar a resposta, nesse caso, não me fará um milionário...

Cotação e nota: Sei lá! Eu nem soube responder à pergunta...!!!



Blog Widget by LinkWithin

2 comentários:

Luciano disse...

Fábio, parabéns pela resenha. Impecável do início ao fim. Informativa, gostosa de ler e esteticamente inteligente. Não faltou nem mesmo o cuidado com a nova ortografia de "ideia" :) Gostei da expressão "safári sociológico".
Ainda não vi o filme, penso em fazê-lo esta semana.
Abraço.

Fábio Henrique Carmo disse...

Amigo Luciano,

Muito obrigado pelos elogios. Confesso que esta foi uma das poucas resenhas que escrevi e, depois que li o resultado, acabei realmente gostando.

Um grande abraço!