domingo, 18 de março de 2012

Curtindo o Curta #3


"La Jetée" (em francês, "o cais" ou "o pier") é, com certeza, um dos melhores curtas-metragens de todos os tempos. Impressionante que, em apenas 28 minutos, ele consiga ser mais complexo e marcante do que muitos filmes com até 3 horas de duração. Dirigido em 1962 pelo francês Chris Marker, um documentarista que realizou aqui uma de suas poucas ficções, o curta é uma ficção-científica pós-apocalipse nuclear onde a humanidade vive agora nos subsolos, já que a superfície se tornou inabitável. Para tentar evitar que a tragédia ocorra, um homem é escalado por cientistas para fazer uma viagem ao passado e mudar a sucessão de fatos que levariam à dita hecatombe nuclear. Ele, no entanto, apaixona-se por uma mulher que, desde a infância, lembrava-se de ter visto no aeroporto de Orly e, a cada viagem no tempo, passa a viver mais intensamente esse amor. Apenas através desta breve sinopse, já é possível perceber que o filme de Marker teve grande influência em vários exemplares do gênero que vieram posteriormente, como "O Exterminador do Futuro" ( The Terminator, 1984) e "Os 12 Macacos" (Twelve Monkeys, 1995), longa de Terry Gilliam que se constitui em uma adaptação expandida de "La Jetée". Mas a obra não é apenas influente, é também (e principalmente) uma experiência única, pois que ele é construído como uma fotomontagem. Em apenas uma das sequências do filme as imagens possuem movimento. Você descobrirá qual delas, assistindo o mais rápido possível clicando no video legendado abaixo. Melhor do que ficarmos aqui de blá-blá-blá é ver este filme ao qual você não ficará indiferente. Boa sessão!


Blog Widget by LinkWithin

6 comentários:

Maxwell Soares disse...

Muito, bom, Fábio. Não conhecia esse curta. A ideia de viver em um subsolo por não poder voltar mais a superfície por sua situação, talvez, inóspita. A volta ao passado. Cara, isso prato cheio para um bom curta. O vídeo, abaixo, é instusiasmante. Um abraço, Fábio...

Celo Silva disse...

Fábio, sensacional! Já tinha ouvido falar, mas nunca tinha visto. Otima sacada essa postagem de curtas.Parabéns!

railer disse...

gostei da sinopse. vou ver depois.
valeu!

renatocinema disse...

O tempo é relativo. Temos várias provas sobre isso no cinema.

Adorei sua sugestão, que humildemente, assumo que não conhecia.

Por isso sempre visito esse site. Fonte de cultura.

Fábio Henrique Carmo disse...

Maxwell, acredito que irá gostar muito do filme, até mesmo porque ele possui um variado contexto filosófico.

Celo, aproveite e veja logo. E obrigado pelos elogios a esse iniciativa que tem como principal objetivo divulgar melhor os curtas.

Railer, veja o quanto antes!

Renato, obrigado pelos elogios! Nunca é tarde para conhecer um grande filme!

Abraço a todos!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Precioso...

O Falcão Maltês