sexta-feira, 24 de agosto de 2012

360



Síndrome de Orson Welles


Fernando Meirelles é um diretor que sofre do que podemos definir como a “síndrome de Orson Welles”. Tal como o diretor de “Cidadão Kane”, o qual passou o resto da carreira tentando ratificar o talento promissor que demonstrava no início, mas sem o mesmo sucesso junto à crítica, o cineasta brasileiro vive à sombra do seu primeiro trabalho de destaque (antes havia dirigido apenas “O Menino Maluquinho 2”, de 1998, e “Domésticas”, em 2001), a obra-prima “Cidade de Deus”, longa-metragem considerado por muitos como um dos melhores do presente século XXI. Diante do impacto mundial gerado pelo filme, a cada novo trabalho seu espera-se algo espetacular, uma nova obra-prima que marcará a década ou algo que o valha. Isso certamente prejudica a avaliação dos trabalhos de Meirelles, os quais parecem estar sempre aquém do seu potencial, o que não é exatamente uma verdade. Embora inferiores ao mencionado “Cidade de Deus”, tanto “O Jardineiro Fiel” (The Constant Gardener, 2005), quanto “Ensaio Sobre a Cegueira” (Blindness, 2008) são ótimos filmes, muito bem dirigidos e eficientes nas sus pretensões (o próprio Saramago aprovou a adaptação de Meirelles para o seu livro, portanto não sou eu que vou discordar). Entretanto, não se pode negar que esta sua nova película, “360”, representa o ponto mais baixo da sua carreira pós-Cidade de Deus.

Esta afirmação, por outro lado, não significa dizer que o filme é ruim. Não é. Possui vários personagens interessantes, atuações convincentes e a sempre precisa mão de Meirelles na direção, dando ritmo (com a ajuda da edição do competente Daniel Rezende) à narrativa e tornando a experiência quase sempre atrativa para o espectador. O grande problema da produção, em verdade, reside no roteiro cheio de pretensões de Peter Morgan e pretensões estas que não são alcançadas ao final da projeção. Em entrevistas, o próprio Meirelles chegou a afirmar que a película seriam mais um trabalho de Morgan do que dele próprio, o que parece fazer sentido. Inspirado em uma peça de Arthur Schnitzler que já foi algumas outras vezes adaptada para o cinema (vide La Ronde, dirigido por Max Olphüs em 1950), o roteiro tem aquela estrutura de narrativa múltipla, com vários tramas paralelas que vão se interligando, o que certamente traz um prazer extra para aqueles responsáveis pelo seu desenvolvimento. A presença de Meirelles no projeto parece ter sido uma escolha dos produtores que se baseou no seu notável talento para dirigir elencos numerosos, como é o caso aqui. Entretanto, um problema frequente neste tipo de roteiro se faz muito presente em “360”: algumas das tramas são concluídas de forma muito insatisfatória, sendo que vários dos personagens são praticamente esquecidos ao fim da projeção, a despeito do bom trabalho desenvolvido pela maior parte do elenco estelar que inclui nomes como Anthony Hopkins, perfeito e longe da preguiça dos últimos anos, no papel de um homem em busca da filha desaparecida; a brasileira Maria Flor, ótima como uma imigrante desiludida que resolve voltar para o Brasil; Jude Law, como um pai de família que está vivendo uma crise no seu casamento com Rose (Rachel Weiz); ou ainda as desconhecidas Lucia Siposová e Gabriela Marcinkova na pele de duas irmãs vindas do leste europeu. Uma delas, a mais velha, acaba se prostituindo para desgosto da caçula.


Apesar das suas conclusões frustrantes, os tipos apresentados estão muito bem estruturados. São figuras tridimensionais, cheios de imperfeições e atitudes equivocadas o que lhes confere uma humanidade sincera e este é realmente o grande trunfo da película. A verdade daquelas pessoas nos cativa e impressiona, por mais que, em vários momentos, reprovemos seus comportamentos. A concepção dos personagens ajuda muito na colocação daquela que pode ser vista como a temática central do longa: as consequências das escolhas que tomamos em nossas vidas, opções estas feitas de forma reflexiva ou impulsiva, mas que podem decidir toda a nossa trajetória. Desde a primeira cena nos deparamos com este conceito, ao vermos Mirka (Siposová) iniciando sua vida na prostituição e também concluímos com sua irmã tomando um atitude que alterará sua vida de forma irreversível. É justamente o arco dessas irmãs que é concluído de forma satisfatória para o espectador, apresentando um desfecho conceitual interessante, mesmo que em aberto.

Na verdade, talvez “360” seja um filme melhor do que uma visão rigorosa possa demonstrar. Afinal, vivemos esperando de Meirelles um novo “Cidade de Deus” o que acaba comprometendo uma melhor degustação dos seus filmes. Eu mesmo, confesso, assisti a “O Jardineiro Fiel” com essa expectativa e no caso de “Ensaio Sobre a Cegueira” ela era ainda maior, já que tenho uma grande admiração pela obra de Saramago (um dos melhores romances que já li na vida, sem dúvida). Quando do lançamento do recente “Para Roma, Com Amor”, novo trabalho de Woody Allen, mencionei este problema das expectativas, que mais uma vez se faz presente aqui. Acredito que, antes de tudo, cabe a nós nos livrarmos dessas “síndromes”, a esperar que a cada novo filme um grande cineasta nos entregue uma nova obra-prima. Ir ao cinema sem esperar demais é sempre recomendável e muito mais prazeroso.


Cotação:

Nota: 7,5
Blog Widget by LinkWithin

8 comentários:

Celo Silva disse...

Otimo texto, Fábio. Concordo com sua analise. 360 passa longe de ser um filme péssimo como andam falando. Esse lance de expectativa pode estragar a apreciação de um filme mesmo.

Abraço.

Rafael W. disse...

De minha parte acho difícil não esperar algo grande do Meirelles, e por isso tenho receio de assistir e acabar me decepcionando com esse.

http://avozdocinefilo.blogspot.com.br/

renatocinema disse...

Amigo minha intenção é motivar o garoto do desenho. kkk

Sobre sua dica.......gosto de Fernando Meirelles, porém...........esse não me atraiu.

Hugo disse...

Ainda não conferi "360" para comentar.

Sobre "O Jardineiro Fiel" e "Ensaio Sobre a Cegueira", são ótimos filmes e quando assisti nem pensei em comparar com a qualidade de "Cidade de Deus", mesmo sabendo que muitos críticos acabam fazendo estas comparações.

Até agora considero ótima a carreira de Meirelles, inclusive o interessante "Domésticas" me surpreendeu na época.

Abraço

railer disse...

fábio, não concordo com o início do texto, acho demais dizer que ele vive à sombra do primeiro trabalho de destaque e que a cada novo filme se espera algo espetacular.

pra mim, por exemplo, o melhor trabalho dele é 'ensaio sobre a cegueira' e acho que os seus outros têm também o devido mérito.

quando não se tem expectativa, como é o meu caso, acho que fica mais divertido e interessante apreciar um filme.

Fábio Henrique Carmo disse...

Bem, não sei se é porque eu li o livro antes de ver o filme, mas "Ensaio Sobre a Cegueira" ficou abaixo do que eu esperava. Considero um bom trabalho, mas acredior que poderia ser melhor.

Não é exatamente o meu caso, mas boa parte da crítica parece mesmo esperar um novo "Cidade de Deus" a cada novo trabalho dele, vide os comentários que saíram por aí para esse "360". Abraço a todos!

Maxwell Soares disse...

Olá, Fábio. Apesar de tudo que dizem por aí, gosto do Meirelles. A maneira como ele conduz os seus filmes são bem particulares. Li " Ensaio sobre a cegueira" de Saramago e adpatão para cinema não deixou nada a desejar. A respeito do "360", ainda, não vi. Mas espero em breve vê-lo. No mais um abraço, irmão. Até...

Jefferson C. Vendrame disse...

Grande Fábio,Como vai?
Ótimo texto, mas uma vez!
Realmente, esta difícil de Fernando Meireles emplacar um novo arrasa quarteirões. Você disse tudo em sua conclusão: Ir ao cinema sem esperar demais é sempre recomendável e muito mais prazeroso, e isso serve em todos os gêneros já que ultimamente estão em extinção as boas e empolgantes produções.

Grande Abraço!
E Mais uma vez, parabéns pelo ótimo Post.